Uns minutos com Belvedere

Tenho sido feliz procurando crescer dentro do que me propus.

Textos


Belvedere entrevista Erthal Rocha

Célio Erthal Rocha,conhecido profissionalmente como Erthal Rocha, nasceu no município de Bom jardim, descendente de colonos de origem suíço-alemã, fundadores da cidade de Nova Friburgo. É jornalista,advogado e defensor público aposentado É casado com Mânia Alcântara. Tem três filhas e um filho e quatro netos.
Do Ministério Público/RJ recebeu em 2002 placa e diploma em reconhecimento pelos serviços prestado à Instituição para o bem funcionamento de sua missão constitucional. Em julho de 2014, recebeu, solenidade no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, colar do mérito e diploma por ocasião das comemorações d os 60 de fundação da Defensoria Pública no Estado do Rio de Janeiro, por serviços prestado como jornalista e defensor público pelo engrandecimento da Instituição

Belvedere Bruno - Como foi o início no jornalismo?
Célio Erthal Rocha- O então deputado e jornalista Alberto Torres adquiriu em 1954 o comando de O FLUMINENSE. Eu era ainda estudante de Direito e, por intermédio de meu primo deputado José Luiz Erthal, pleiteei uma vaga de repórter. A partir daí, Integrei a equipe do jornal e lá permaneci durante 44 anos.Fiquei longo tempo na reportagem geral, fui colunista (Homens e Negócios), fiz publicidade e criei e chefiei o Departamento de Relações Públicas. Até hoje ainda frequento o jornal que continua prestando serviços à população, dirigido com correção por seu único neto Alexandre Torres.

BB-- Tinha bom relacionamento com Dr. Alberto Torres?
ER- Além de seu companheiro no jornal,fomos correligionários na política, por ele sempre exercida com ética, dignidade e espírito público, coisa rara na atualidade. Haja vista os escândalos do mensalão e da Petrobras.

BB-— Fale sobre a vivência na política .
ER-- Sempre me interessei por política. Está no sangue. Fui candidato a deputado estadual.Assumi o mandato em 1965, como suplente. Apresentei na Assembléia Legislativa ao Ministro da Viação,Juarez Távora indicação para a cessão gratuita pela Rede Ferroviária Federal às Prefeituras fluminenses dos prédios desativados das Estações da Estrada de Ferro Leopoldina, cujos ramais haviam sido extintos.A cessão foi efetivada e serviu de sede de diversas prefeituras, inclusive a de Friburgo, que até hoje a utiliza no belo prédio no centro da cidade. É bom ressaltar que, na época as municipalidades viviam à míngua de recursos, situação só corrigida na Constituição Federal de 88.

BB--Como foi sua incursão na literatura?
ER - Costumo dizer que sou um veterano jornalista e um jovem escritor. Meu primeiro livro (de memórias) “Jornalismo, Política e outras Paragens” foi lançado no ano passado.Nele relato fatos importante que marcaram a vida de Niterói e do Estado, como o quebra-quebrada lanchas pelo povo revoltado e o incêndio da Estação das Barcas na Praça Araribóia em 1959 pelo péssimo serviço do transporte marítimo prestado na travessia Rio-Niterói (situação que causa conflito até hoje). Abordo também o entrevero entre o Governo Paulo Torres, do qual fui secretário de comunicação social e o “Grande Jornal Fluminense” informativo radiofônico que marcou época, transmitido pela Rádio Tamoio e Jornal do Brasil, com audiência em todo o Estado. Na época os jornais impressos não chegavam ao interior, o que foi suprido pelo GJF,fundado pelo jornalista João Baptista da Costa.

BB—O lançamento teve boa repercussão?
ER-O lançamento foi no Solar do Jambeiro e quase se esgotou.Várias personalidades de Niterói e do Rio foram lá me prestigiar, ajudando a Casa Maria deMagdala e Orfanato Santo,entidades beneficiadas com o produto da venda do livro.A tão querida jornalista e professora Nina Rita Torres, recém-falecida, lá esteve e fez questão de ficar durante longo tempo na fila dos autógrafos. Seu gesto me emocionou,pois ela já não estava bem de saúde.

BB--O livro está esgotado?
ER- Há ainda exemplares na Livraria Gutenberg,na Moreira César,em Icaraí.

BB- Quando será lançado seu segundo livro?
ER-“Um olhar sobre o Ministério Público Fluminense”, editado também pela Nitpress vai ser lançado (2/12/2014) na sede da Associação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro,no Rio. O prefácio é do promotor de Justiça,Luciano Mattos,presidente da AMPERJ. Nele relato fatos dramáticos decorrentes da fusão da Guanabara com o antigo Estado Rio em 1975 e que culminou com a “Vigília Institucional”, que o povo chamou de greve dos promotores. Foi em protesto contra a situação de desigualdade vencimental entre os membros do MP da GB e de nosso Estado,situação inaceitável somente resolvida oito anos mais tarde. Foi um passo decisivo dos promotores fluminenses para a independência que hoje caracteriza o Ministério Público

BB-Será também lançado em Niterói?
ER -Sim. Em março próximo,para atender aos amigos de nossa cidade.

BB - Faz parte de alguma entidade cultural?
ER-- Do Instituto Histórico e Geográfico de Niterói e do de Bom Jardim,terra onde eu vi a luz do sol pela primeira vez.
 
belvedere
Enviado por belvedere em 23/11/2014
Alterado em 23/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras