Uns minutos com Belvedere

Tenho sido feliz procurando crescer dentro do que me propus.

Textos


Alberto Lisboa Cohen
 
Bibliografia
 
Advogado reside em Belém do Pará, onde nasceu em 12/02/42. A partir de 2003 decidiu expor seus poemas. Participou de alguns concursos literários nacionais e internacionais sendo contemplado com as seguintes distinções:
 



 
Livros Premiados e Editados
 
“Poemas Sem Dono”:
=Vencedor do II Prêmio Literário Livraria Asabeça – Publicado pela Editora Scortecci - SP – 2003.
“Poemas de Amor, Desamor e Saudade”:
=Selecionado e editado pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores - CBJE - Rio de Janeiro – RJ – 2004 (esgotado).
“Daltônicos”:
=Selecionado e editado pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores - CBJE - Rio de Janeiro – RJ – 2004. (esgotado).
“Recados para Wendy”:
=Selecionado e editado pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores - CBJE - Rio de Janeiro – RJ – 2005 (esgotado).
“Caminhos de Não Chegar”:
=Vencedor do Prêmio de Literatura Instituto de Artes do Pará- IAP – Editado pelo Governo do Estado - PA - 2005.
=Vencedor da Láurea Cidade Poesia (Moderna) - Associação de Escritores de Bragança Paulista - ASES - SP - 2006.
“Juntando Pegadas”:
=Vencedor do Prêmio Vespasiano Ramos - Academia Paraense de Letras - PA - 2006.
=Publicado pela Editora Paka-Tatu – Belém – PA.
“Cantigas que a Rua Canta”
=Selecionado e publicado pela Editora Alcance - Porto Alegre-RS – 2009.
“Álbum de Recordações”
=Selecionado e publicado pela Editora Alcance - Porto Alegre-RS – 2009.
“Menino das Samaúmas”
=Selecionado e publicado pela Editora Alcance – Porto Alegre-RS - 2010
“Catador de Momentos”
=Selecionado e publicado pela Editora Alcance – Porto Alegre-RS – 2011
“Sobrevivente de Mim”
=Selecionado e publicado pela Editora Alcance – Porto Alegre-RS – 2012
 
 
 
 
 
 
 
 


 
Poesias,  Poemas e Crônicas Premiados:
 
“Pacto”:
=Vencedor do IV Concurso Nacional de Poesia - Casa do Poeta Brasileiro - Poebras - Salvador-BA – 2003. (Publicado).
“Formal de Partilha”:
=Vencedor da Olimpíada Literária Pôr-do-Sol - Alternativo Pôr-do-Sol - Araraquara - SP- 2005.
”Rosa Vermelha”:
=Troféu Prata - XVI Concurso Nacional de Poesia "Acadêmico Mário Marinho" - Academia de Letras e Artes de Paranapuã - ALAP - RJ - 2005...
“Majestic”:
=2º Colocado - Concurso Nacional de Poesia “Mário Quintana” - Academia Bauruense de Letras - SP - 2007. (Publicado).
“Luz”:
=4º Colocado no XIII Concurso Internacional Literário de Outono – Edições AG – SP – 2004.- (Aproximadamente 1.500 autores de 13 países. Publicado).
“Cinzento”:
=4º Colocado no XIII Concurso Internacional Literário de Outono – Edições AG – SP – 2004. (Aproximadamente 1.500 autores de 13 países. Publicado).
“Formal de Partilha”::
=Destaque- 7º Habitasul Revelação Literária na Feira - Palavra de Autor (Escritores profissionais) 52ª Feira do Livro de Porto Alegre /RS - 2006. (Publicado).
“Depois, o adeus...”:
=Destaque- II Concurso Benjamim Silva - Sonetos - Academia Cachoeirense de Letras-ES – 2008.
“Penitentes”:
=Classificado no II Prêmio Literário Livraria Asabeça - Editora Scortecci - SP – 2003. Publicado.
“Justa Causa”::
=Seletiva - Panorama Literário Brasileiro/As 100 Melhores Poesias de 2004 - Cbje - RJ - 2004. (Publicado).
“Replicante”: (crônica):
=Seletiva - Labirinto Literário – Rio de Janeiro – Ano 5 – Nº 22 – janeiro, fevereiro e março de 2011. (Publicado)

 
Livros inéditos:
 
= “Folhas e Penas” (Crônicas)
= “Canto de Um Só” (Poesia)
= “Álbum de Contradições” (Poesia-Sonetos)
= “Solilóquios” (Poesia)
= “Assunto Particular” (Poesia)
= “Coração de Passarinho” (Poesia e Textos)
 
albertolcohen@terra.com.br   e   albertolcohen@yahoo.com.br 
 
 
 
 
 
1-Onde mais se realiza, em prosa ou verso?
 
R: Na verdade a minha praia sempre foi a Poesia. Quando escrevo em prosa ela é poética, com metáforas, sonância e, algumas vezes, até mesmo rimas.
 
2-Como sente a receptividade do público em relação ao seu trabalho?
 
R: Depois de alguns livros escritos, premiados e publicados, sinto-me bem recebido pelas pessoas que me lêem. Até porque minha linguagem metafórica é a mais simples possível, ao alcance de qualquer leitor. Aprendi com Drummond, Quintana, a sonetista portuguesa Florbela Espanca, o grande Poeta paraense Ruy Barata e muitos outros. A boa Influência sempre é bem-vinda e jamais será plágio.
 
3-Tem algum projeto em andamento? Fale sobre ele.
 
R: Hoje, com mais de setenta anos de idade, advogado aposentado, avô, minha atividade é escrever e meus projetos são os livros publicados (12) ou a publicar (6). No momento, encontra-se no prelo “Canto de um só”: Setenta e cinco poemas escritos pela solidão.
 
4-A web proporciona maior visibilidade ao autor em termos gerais?
 
R: Como sempre falei, a internet foi e é muito importante para a exposição do trabalho de novos autores que sem ela não teriam chance. Esse o lado positivo. Agora o negativo: Algumas apropriações indébitas divulgadas com realce pela Rede.
 
5-Como é seu processo de elaboração nas prosas?
 
R: Escrevo prosa e poesia de uma mesma maneira. Partindo de possível idéia inicial deixo que a sensibilidade vá construindo o texto com um final surpreendente até mesmo para mim. Acredito que a prosa, embora não sujeita a todas as regras da poesia, deve ser escrita de forma sonante em que a cadência seja a base para a construção de parágrafos que divulguem o ideário.
 
6-Que sentimentos predominam em seus poemas?
 
R: Quase não consigo escrever versos alegres. A saudade, a dor, a tristeza, a solidão, são os alicerces de minha construção poética. Principalmente nos sonetos que, quase sempre, são acinzentados. Exemplos clássicos de Sonetistas: Florbela Espanca, Miguel Russovsky e Alonso Rocha.
 
7-Sentiu-se, inicialmente, influenciado por algum autor?
 
R: Encanto-me ainda com a obra de diversos autores, mas a simplicidade de Mário Quintana me influencia até hoje. Aprendi com ele que a poesia deve ser entendida não só pelo intelectual, mas por todo e qualquer leitor sensível. A originalidade do Mário também calou fundo em mim, dela fazendo-me adepto.
 
8-Acredita que todo autor depende da mídia para reconhecimento?
 
R: Acho, parcialmente, que sim, desde que a iniciativa da mídia seja voluntária. Creio, no entanto, que o leitor é a maior constatação do valor de uma obra, pois afinal ele é o destinatário dela. No início, vários livros meus foram premiados nacionalmente e editados. Com a divulgação deles tornei-me relativamente conhecido.
 
9-Que diria àqueles que pretendem iniciar na carreira de escritor?
R: Continuem escrevendo com autocrítica. Troquem idéias e experiências com outros escritores, mantendo, porém, a personalidade criativa. Não se importem com os críticos de carteirinha. O que seria dos passarinhos se os céus fossem só dos gaviões?
10-Deixe-nos um soneto.
R: Do meu livro “Canto de um só”:
 
Canto de um só
 
A solidão é mais do que um gemido
ou a forma silente de ser um.
É tudo aquilo que podia ter sido,
o ir e vir para lugar nenhum.
 
Na multidão de ausências, de partidas,
buscar perfumes que não cheiram mais,
e coisas resultantes de outras vidas
mentir que ainda são vidas iguais.
 
Dormir com vozes, sombras e carinhos,
sempre tão juntos, sempre tão sozinhos
quanto sozinho é o ato de morrer.
 
E despertar para ter mais um dia
nessa tragédia de casa vazia
em que o passado brinca de esconder.
 
 
 
 
 
 

 
belvedere
Enviado por belvedere em 15/08/2013
Alterado em 16/08/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras