Uns minutos com Belvedere

Tenho sido feliz procurando crescer dentro do que me propus.

Textos


PAULO ROBERTO CECCHETTI - Nasceu em 09 de dezembro de 1948, na Rua Manoel Lazari, bairro de São Lourenço, Niterói, RJ. 4° filho de Adalberto Cecchetti e de Cybele Santos Cecchetti. Aprendeu a ler e escrever no Externato Menino Jesus. Completou o primário no Colégio Marília Mattoso, admissão no Curso Alzira Bittencourt, ginasial e científico (1° e 2° anos) no Centro Educa-cional de Niterói e 3° ano do científico no Colégio Batista de Niterói. Ingressou na UFF-Universidade Federal Fluminense para cursar Letras (incompleto) vindo a se formar em Administração de Empresas pela FACEN-Faculdade do Centro Educacional de Niterói.

É publicitário, poeta, letrista, editor e curador; é membro da Academia Nite-roiense de Letras/ANL (ocupa a cadeira 48 pertencente à Américo de Castro) e da Associação Niteroiense de Escritores/ANE.

Cecchetti é persona incansável na luta pela qualidade da cultura em Niterói. Ex-assessor de Comunicação da ANL (gestão 2007/2008), promoveu em 2007 a reforma interna da academia, com o apoio da C.Ribeiro Construções e Empre-endimentos Ltda, do engenheiro Cláudio Ribeiro, sem qualquer ônus para esta tradicional instituição cultural.

Autor de dezessete livros publicados, com destaque para: "Outonoite" e "Como antigamente" (poesias); "Cardumes" e Quintal" (haicais); "Meu gato de nome Mário" (poesias ilustradas), aquarelas do saudoso artista plástico Miguel Coelho; e "Haicais Onomásticos", capa do artista plástico Rafael Vicente. Os livros "Sete vidas em haicai" com ilustrações do artista plástico Brevense e "Eróticas", hai-cais ilustrados com bico-de-pena de Miguel Coelho, são os trabalhos publicados recentemente.

Paulo Roberto Cecchetti, em 2008, idealizou e coordena o projeto ‘Escritores ao ar Livro’, reunindo inúmeros escritores de Niterói, promovendo aos domingos, na praça Getúlio Vargas, em Icaraí, a boa literatura existente nesta "Cidade Sor-riso" (título este atribuído ao inesquecível compositor e poeta Gomes Filho). É coordenador do folheto ‘Resenha da Tenda’ e do projeto ‘Estante Comunitária’, divulgando escritores da cidade em pontos como cafés, academia de ginástica, consultório médico e atelier.

Como editor, produziu inúmeros livros, destaque para: "Rapsódia para Sanfona", "Ressurreição do Soneto" e "Ping-pong - haicais versus trovas", de Sávio Soares de Sousa; "Alma e Raiz", de Gilda Uzeda; "D’além-mar ao porto seguro", de Gentil Moreira de Sousa; "Poemas Intactos", de Márcia Luz Pixel; "Vovó conta umas histórias", de Maria José S. Rossi e "Miguel Coelho - magia do traço", desenhos em bico-de-pena do saudoso artista plástico Miguel Coelho.

Como curador, Cecchetti realizou em 2002 as exposições "Pimentel noventa anos", releitura das obras de Luís Antônio Pimentel, na Câmara Municipal de Niterói, e "Suite Cinza", de Miguel Coelho, no Museu do Ingá.

Em 2003 as exposições coletivas "Da Natureza Feminina: uma homenagem a Hilda Campofiorito", no Centro Cultural Paschoal Carlos Magno e "Niterói, ontem hoje sempre", no Campo das Artes, ambas em Icaraí.

Em 2006 a exposição "Miguel Coelho: 50 anos de pintura", no Centro Cultural Paschoal Carlos Magno.

Em 2008, as exposições "Japão-Brasil-100 Anos / Do sol nascente ao calor tropical", no MIX Empório Casa & Café, em Icaraí, com palestra do mestre Luís Antônio Pimentel, desenhos de Miguel Coelho e haicais de Cecchetti.

Em 2009 realizou, em comemoração aos 436 anos da cidade de Niterói, as exposições "Niterói: um novo olhar fotográfico", do fotógrafo Sylvio Relvas e "Niterói: um mar de aquarelas", do artista plástico Fernando Brevense, na Cultura Inglesa-Icaraí.

Em 2010, promoveu as exposições ‘Iluminura’, de Jo Grassini e Impressões’, de Gilda Uzeda, na Cultura Inglesa-Icaraí, Niterói.

Em 2011, realizou as exposições "Por Elas", de David Queiroz e "O mar conta sua história", de Veronica Accetta, na Cultura Inglesa-Icaraí; e mais três exposições na Biblioteca Pública de Niterói/BPN: "Luminar", de Olga Brahim; "Água Corrente", de Angela Caldas e "Transposição", de Pedro Coelho; "Si-nuosas", de Nelly Fabiano; fechando o ano com a exposição coletiva, na Cultura Inglesa-Icaraí, denominada "Nikitikitikeru", em homenagem aos 438 anos de Niterói.

Em 2012 reapresentou a exposição "Luminar", de Olga Brahim, no Shopping 211-Icaraí; produziu as exposições "Atelier Jo Grassini - Coletiva 2012" , no So-lar do Jambeiro e "Múltiplas visões",de Jo Grassini, no CCPCM-Centro Cultural Paschoal Carlos Magno; e "Luís Antônio Pimentel - 100 anos em foco", de Luís Antônio Pimentel; "Caminhos urbanos", de Carolina Volpi; "Caboclas", de Angela Caldas e "Dentro de mim há mulheres", de Julia Aumuller, todas as quatro últimas no Solar do Jambeiro.

Em 2013 realizou as exposições "Mosaicos fotográficos", de Rainer Thrum, no CCPCM-Centro Cultural Paschoal Carlos Magno; ‘Sentimento Único’, de Julia Aumuller e ‘Cadê Miguel, Mario?’, na Glia - cultura, aprendizagem e saúde.

Como letrista conquistou, nas décadas de 70 e 80, inúmeros festivais de música nas cidades de Friburgo, Cachoeira de Macacu, Bom Jardim e Niterói, tendo como parceiros os compositores Danilo Braga, Tereza Mello e José de Souza Soares. Atualmente possui doze novas músicas com Luiz de Castro (Lula), com destaque para "Negra solidão", "Meu abrigo", "Chuva forte" e "Luz da manhã"; e com Lula Basto, seu mais recente parceiro, compôs diversos sambas.

Contatos: e-mail: prcecchetti@ig.com.br / site: www.prcecchetti.com / blog: cecchettipr.wordpress.com / cel.: (021) 99928659
ENTREVISTA DE PAULO ROBERTO CECCHETTI PARA BELVEDERE BRUNO / Julho 2013

Belvedere Bruno - Tendo iniciado muito cedo suas atividades culturais, que diferença observa entre aquele período e a nossa atualidade?

P.R.Cecchetti - Pouca coisa mudou. Quando comecei a escrever e publicar livros e/ou em jornais minhas poesias, lá pelos idos de 1970, a problemática era sempre: - como conseguir capital para imprimir livros, para bancar as edições dos jornais alternativos, enfim, para conquistar um espaço difícil de se almejar naquela ocasião. Hoje, pouca coisa mudou...

BB- Quais foram suas maiores conquistas durante esses anos?

PRC - Publiquei 17 livros; abri a agência TRAÇO & PHOTO Publicidade; fundei "O CAIS em revista" (publicação cultural na região oceânica de Niterói); participei de coletâneas nacional e internacional; fiz inúmeras exposições como curador para promover artistas plásticos; como editor fiz livros para escritores da cidade; e idealizei e coloquei em prática o projeto cultural "Escritores ao ar Livro", já em seu 5º ano... ufa! (risos).

BB- Qual o período mais rico que vivenciou em termos culturais?

PRC - Considero alguns inesquecíveis! Quando publiquei os livros "Cardumes"/haicais (na década de oitenta) e "Meu gato de nome Mario"/poesias ilustradas, em 2005, uma parceria com o saudoso artista plástico Miguel Coelho. E as exposições "Miguel Coelho: 50 anos de pintura" e "Luís Antônio Pimentel - 100 anos em foco".

BB- Quais as maiores dificuldades que enfrentou?

PRC - Conseguir patrocínio para a realização dos meus projetos culturais. Mas, como sou persistente, superei essas dificuldades convencendo as empresas que valeria a pena investir em cultura de qualidade.

BB- Vivendo em Niterói, em termos comparativos, como vê a cidade e o Rio de Janeiro?

PRC - Somos vizinhas fervilhantes... (risos)

BB- Atuando em diversas áreas culturais, onde se sente mais realizado?

PRC - Tudo que eu faço procuro imprimir uma dedicação integral, absoluta, incansável, para ter todo e qualquer projeto bem sucedido. Ultimamente curto a montagem e o vernissage de uma exposição com artistas da nossa cidade.

BB- Tem algum projeto que ainda não conseguiu viabilizar?

PRC - Sim. Ter um espaço cultural para realizar lançamentos de livros, palestras, exposições... mas isso demanda capital altíssimo. Mas como sagitariano, não desisto deste sonho!

BB- Que proposta teria a fazer aos atuais responsáveis pela cultura em nossa cidade?

PRC - Nesta gestão cultural, gostaria de ver concretizado a criação de um espaço que abrigasse todas as instituições culturais de Niterói, para se ter um calendário único das inúmeras atividades que essas instituições apresentam.

BB- Há na cidade divisões que prejudicam o avanço cultural? Falta coesão no movimento?

PRC - Talvez pela ausência desse espaço agregador.

BB- Deixe uma mensagem aos leitores e, se possível, finalize com um haicai onomástico.

PRC - Precisamos perseverar! Precisamos unir forças vindas de todas as fontes e formas de cultura. Juntos somos mais! Neste momento de união e fé, deixo este haicai onomástico feito para o Papa Francisco que acaba de nos visitar: "Peregrinos juntos (5) / numa algazarra da fé (7) / saudavam Francisco.(5)"

 

belvedere
Enviado por belvedere em 29/07/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras