Uns minutos com Belvedere

Tenho sido feliz procurando crescer dentro do que me propus.

Textos

O homem e o vazio
  O homem e o vazio

Belvedere Bruno



    Quando nasceu, Lindolfo não chorou. Emitiu um grito como se fosse um não interminável. Os familiares ficaram com os olhos arregalados. Cresceu revoltado, demonstrando profunda irritação sempre que contrariado, a ponto de os pais terem que amordaçá-lo e prender-lhe os pés para que não escoiceasse. Mordia as próprias mãos.
    Durante a infância,  demonstrava profunda frieza em relação a pessoas  e fatos. Nada o comovia e, se pudesse, rodaria, por dia, cem gatos pelo rabo, atirando-os ao rio . Um manco, um cego, ou mesmo um doente mental era motivo de chacota para Lindolfo; e a própria avó, por ter um defeito na perna, era chamada de vó "coxinha", entre risos e deboches.
    Cresceu com o obsessivo desejo de ganhar. Tirando sempre vantagem em tudo, não poupava amigos nem parentes. Aliás, não se podia dizer que Lindolfo  tivesse amigos. As pessoas faziam de conta que o aceitavam. O tempo passava e ele  a ninguém se ligava e não cogitava em constituir família. Mas o avô sempre insistiu, lhe apresentando as mais interessantes moças da cidade. Em vão. Nenhuma despertava o interesse de Lindolfo, até que, apresentado à única filha do dono da rede de farmácia do lugar analisou que, tendo se formado em contabilidade, poderia ser uma excelente aquisição para o comércio do futuro sogro. E então, de olho no futuro, disse sim.
    Casado e com dois filhos, vivia da mesma forma, sem demonstrar carinho pela família, sempre distante, nutrindo apenas o insaciável desejo de enriquecer. Da esposa e filhos, cansados de tanta indiferença, passou a receber a mesma frieza. Era um estranho. Entrava e saía de casa sempre alheio a tudo que não lhe trouxesse vantagens.
Quando faleceu a esposa, disse a todos que Deus havia sido generoso deixando que (a falecida) vivesse 30 anos com ele.  Ao perder os filhos, murmurou em ambas as ocasiões : "Que Deus o tenha!". Aos 75 anos, já afastado do trabalho, isolou-se numa casa de cidade do interior .Ali, não fez amizades. Seu passatempo era um rádio e uma pinga de vez em quando.    Aos 83, decidiu se internar num asilo, escolhendo entre os mais baratos. Não pensava em ninguém, sequer nos netos, que iam visitá-lo de vez em quando. Ao recebê-los, só sabia dizer que não tinha dinheiro para lhes dar. Com o tempo, os netos cansaram do gênio de Lindolfo e cessaram as visitas. Aí ele começou, de fato, a ser feliz, pois já não tinha elos.
    No asilo, iniciou os carteados em troca de centavos. Com grande excitação, ia guardando o que ganhava dentro de um pequeno cofre, mesmo que fossem centavos.
    Certa noite, enquanto contava dinheiro num bingo próximo ao asilo do qual fugia todas as noites para jogar, caiu ao chão. Infarto agudo do miocárdio. Os netos foram avisados e providenciaram seu sepultamento no mais simples cemitério da cidade. Escolheram, também, o caixão mais barato, para que Lindolfo partisse sem resmungos nem xingações. Em sua conta bancária, havia uma fortuna, que agora seria dividida entre os únicos herdeiros .
  No funeral, uma coroa de flores com os dizeres: "Enfim, em boa companhia. Carinho - Seus netos."


belvedere
Enviado por belvedere em 23/07/2013

belvedere
Enviado por belvedere em 23/07/2013
Alterado em 21/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras